Carcionoma Espinocelular

Carcinoma espinocelular é um tumor de pele maligno, de
caráter invasivo, podendo acarretar metástases. Corresponde a
15% dos tumores de pele malignos. Pode surgir em uma
pele normal ou sobre outras lesões já existentes, como áreas
de dano solar, úlceras antigas, cicatrizes de queimadura ou
áreas que já receberam radioterapia.
Acometem geralmente os pacientes após os 50 anos, sendo
mais comum nos homens (por se exporem mais a agentes
cancerígenos, como o sol e o fumo) e em pessoas de pele
clara. Fatores imunológicos também são considerados como
predisponentes: observa-se maior ocorrência em indivíduos
imunodeprimidos, como, por exemplo, aqueles que sofreram
transplante de órgãos sólidos.
As localizações mais frequentes são: lábio inferior, orelhas,
rosto, mãos, parte interna da boca e parte externa dos órgãos
genitais. Na pele há inicialmente uma lesão endurecida ou
nódulo, avermelhado, que, gradativamente aumenta de
tamanho e pode ulcerar ou assumir aspecto vegetante. Na
boca pode ter início sobre áreas de leucoplasia, uma área
esbranquiçada dentro da boca.
O diagnóstico é feito pelo aspecto da lesão e confirmado
por biópsia. O tratamento depende da localização e extensão
do tumor, sendo o mais frequente a cirurgia para sua extração.
Se houver metástases é necessário fazer a excisão de alguns
gânglios e radioterapia. Em casos muito avançados, não
passíveis de tratamento cirúrgico ou radioterápico a
quimioterapia é utilizada.